domingo, 21 de março de 2010

Vícios e Virtudes, o equilíbrio


Durante os séculos da existência humana, o homem buscou aprimorar-se, viver melhor e ser melhor. Porém, nas histórias que temos relato e nas comprovações do cotidiano, percebemos que nossos problemas nascem do exagero ou da falta, em outras palavras do desequilíbrio. Desde os problemas físicos até as crises nos relacionamentos: faltou vitamina, cálcio, foi exagero em gordura... Ou faltou afeto, foi excesso de atenção... Enfim tudo é permeado pela medida e nós como desbravadores de uma vida melhor buscamos equilibrar essas medidas. O médico nos diz para comer menos doce, tomar mais água, o psicólogo nos diz para importarmos mais com nós mesmos e menos com os outros...

Pensando nessa ”luta entre as medidas” é inevitável chegar no que melhor lhe traduz: OS VICIOS E VIRTUDES.

Aristóteles classificava a virtude como parte da ética (geralmente a encontramos quando se fala de ética ou moral). Para ele a virtude era uma vitória da razão sobre os impulsos, era à busca da justa medida entre dois excessos, que se manifestava como hábitos. Os Estoicistas, que buscavam a apatia como ideal (para eles as paixões ofuscam o logos), viam o vício como um mal que danifica o nosso ser. Daí por diante diversos filósofos refletirão sobre o tema.

Aparentemente nos é claro a questão que a virtude é boa e o vício é mal, porém nos “embates da vida” percebemos que tudo depende do PONTO DE VISTA. Cada um, seja pela formação que teve ou pelo temperamento inato, aborda determinada causa de um ponto especifico. Isso é o que normalmente dificulta o consenso do que é bom ou ruim, também não há como negar que às vezes o vicio é escolhido, mesmo tendo um consenso da sociedade de que aquilo é ruim. A metafísica vai nos dizer que mesmo quando escolhemos um fim “menos bom” encontramos nele alguma vantagem.

Diante da explanação feita é perceptível o quanto a questão do PONTO DE EQUILIBRIO é um tanto intimista, porém não é licito cair no relativismo, a vida em sociedade a qual somos submetidos exige verdades supremas, consensos, um esforço para pensar no bem de todos, pois não há duvida que os desequilíbrios individuais alcançam a vida de terceiros.

Também não podemos esquecer que diversos pontos de vista traz riqueza a multiplicidade de pensamentos humano. Talvez a criatividade seja o grande diferencial de nosso gênero e o equilíbrio é encontrado de formas deferente por cada pessoa.

Gilson Alves


P.S: Este texto foi postado no BLOG do meu amigo Danilo Morreira (BLOG Ponto 3), por conta do aniversário de criação do blog.

IMAGEM: Filósofo entre o vício e a virtude, obra de Sanmachini Orazio
(http://ialexandria.sites.uol.com.br/imagens/classic/017ic.htm)

3 comentários:

  1. Meu caro, esbarrei no seu blog ao encontrar no PONTO 3 esse belissimo texto. Danilo tem bons amigos e, fazendo uso dessa conexão, espero acompnhá-lo com mais avidez e atenção merecida. Abraço!

    www.bsproducao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Pensando nisso... que vício vira desequilibrio e o próprio desequilibrio leva a virtudes que na maioria das vezes é vista só por quem a tem... virtude subestimada... entende... pois eh... fato é que eu queria comentar várias coisas, nas quais concordei com o texto, porém o que mais valeu, por uma questão pessoal, foi pensar que desequilibrio individuais alcançam a vida de terceiros... e pensando um pouquinho mais a fundo... a sua passagem por essa vida pode estar ai... até onde você vai sem chegar ao vício, até onde você se vê para não alcançar o desiquilibrio, até onde você se conhece para chamar o que tem de virtude, até que ponto sabemos de algo para não cometer excessos, ou ir além "da linha", cometer erros, enganos, omitir e mentir, dizer algo, ser sincero, falar a verdade, fazer o que lhe parece certo, não fazer o que lhe parece errado,quem vc beneficia ou prejudica, se vc é melhor ou pior c cada atitude... e enfim ... tudo isso pensando nessa tal medida...

    ResponderExcluir
  3. É admirável a "mistagem" que existe dentre as sociedades, os grupos, e o quão isso é importante, mesmo como vc disse, os que tem o vício como um bem. É como o veneno de um animal... Se diretamente injetado em alguém, o mesmo pode vir a óbito, mas se passado por todo um processo laboratorial, pode salvar vidas.

    ResponderExcluir

Vai comentar?

Escreva algo construtivo, mostre que tem o que contribuir!
Se possível cite referências.

Reclamações, dúvidas ou sugestões também são bem vindas...

Agradeço a colaboração